quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Fuga


Estamos sempre ajuntando pedaços,
Das nossas muitas quebrações de cara.
E se uma ferida cicatriza, sara
E desaparece até de nossos traços,
A inocência que nos leva os passos,
Com queda nova, logo se depara
E novamente a alma vem e separa
Nossos caquinhos e os amarra em laços.
E nestes laços sempre, sempre deixa,
Um suspiro...uma súplica...uma queixa
E a face marcada de profunda ruga.
Mas deixa mais...deixa um intenso frio.
Deixa um espaço, um enorme vazio
De um belo sonho que partiu em fuga!...
*Jenário de Fátima
Postar um comentário