domingo, 22 de novembro de 2009

Pablo Neruda


Dois amantes felizes não têm fim nem morte,
nascem e morrem tantas vezes enquanto vivem,
são eternos como é a natureza.

Pablo Neruda
Postar um comentário