sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

O ser delicado


“O ser mais delicado, mais sensível,
Não se compara ao que sou.
Sou papel de seda, asa de borboleta,
Casa de caracol, corpo de libélula.
Não tenho composição definida.
Sou etérea, sou completamente mortal”.
Sabrina Davanzo
Postar um comentário